quarta-feira , 26 junho 2019
Capa » Feiras » Desinformação coloca indústria alimentícia como vilã, mas setor quer reverter cenário

Desinformação coloca indústria alimentícia como vilã, mas setor quer reverter cenário

Na avaliação de representantes da indústria, os regulatórios têm restringido o direito à liberdade de escolha do consumidor.

São Paulo, 4 de abril de 2019 – O tema mais abordado no primeiro dia de Congresso do Wellfood Ingredients – Feira Internacional de Ingredientes Funcionais, Nutracêuticos e Naturais foi a falta de informação do consumidor sobre alimentos industrializados. Segundo membros do setor, as agências regulatórias têm papel fundamental neste cenário, limitando a divulgação de certos assuntos relacionados, principalmente, a parte científica desse tipo de produto. Essa falta de comunicação é vista como um problema, que pode comprometer a liberdade de escolha e até mesmo a segurança do consumidor.

De acordo com Luis Madi, Diretor de Assuntos Institucionais e Internacionais da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo (ITAL/SAA), a indústria aposta fortemente na segurança dos alimentos, porém, o consumidor não tem acesso a esse tipo de informação. “Não chega até a população a evolução da ciência no setor. A desinformação acaba se tornando a maior vilã da indústria”, afirma Madi.

Durante as palestras e debate, os interlocutores foram unânimes ao concordar que os regulatórios têm restringido o direito à liberdade de escolha do consumidor, que acaba ficando à mercê de um mercado paralelo, que trabalha em cima da refutação do estilo de vida contemporâneo, mas ainda com pouco embasamento científico. Diante desse aspecto, o consumidor ficaria vulnerável à informações marcadas pelo modismo e por ideologias.

Alexandre Jobim, presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas não Alcoólicas (ABIR), foi categórico em sua fala durante o debate ao dizer que a indústria tem total interesse em informar seus consumidores sobre seus produtos, mas que, porém, só pode falar sobre aquilo que é autorizada pelas agências regulatórias. “Todos nós queremos uma vida mais saudável. Mas é importante que o consumidor tenha o direito de escolher. Se esses alimentos fossem nocivos, eles seriam proibidos. O consumo excessivo é outro assunto”, argumenta Jobim.

No final da primeira rodada de conversa, Madi, da ITAL, convidou os presentes a acessarem e divulgarem o site www.alimentosprocessados.com.br, onde consta informações sobre mitos e verdades sobre esse tipo de alimento.

Consumidor busca cada vez mais alimentos e bebidas saudáveis, segundo pesquisa da Euromonitor

Dados da empresa de pesquisa de mercado Euromonitor International revelam que o segmento de produtos saudáveis está apresentando um crescimento superior ao das indústrias de alimentos e bebidas à medida em que os consumidores buscam alternativas mais naturais e funcionais. A informação é do Head de Pesquisa de Alimentos da Euromonitor, Lamine Lahouasnia, que falou sobre as “As principais tendências globais no segmento de alimentos e bebidas saudáveis e as previsões do setor para os próximos anos na América do Sul”, durante o primeiro dia de Congresso no Wellfood Ingredients – Feira Internacional de Ingredientes Funcionais, Nutracêuticos e Naturais, no Centro de Eventos Pro Magno, em São Paulo.

Lahouasnia destacou as tendências de consumo e oportunidades para o segmento que está em constante expansão. “É um mercado de mais de US$ 700 bilhões e com condições de chegar em breve a US$ 1 trilhão”, destacou. Na sua avaliação, alimentos ricos em calorias vazias – aqueles altamente energéticos e pobres nutricionalmente, mas que ficaram famosos por ter um sabor extremamente agradável – estão esgotados, e a preocupação com a qualidade do nutrientes está cada vez mais presente no dia a dia das pessoas. “Um exemplo são as bebidas energéticas que tiveram queda de 9% nas vendas entre 2015 e 2018, enquanto o segmento de sucos 100% naturais cresceu 25% no mesmo período”.

O executivo destaca cinco segmentos com potencial crescimento nos próximos anos. O de alimentos e bebidas saudáveis, que hoje já responde por US$ 269 bilhões em faturamento anual no mundo; os alimentos funcionais e fortificados, com US$ 261 bilhões; os Free From, US$ 56 bi; orgânicos, US$ 46 bi; e os better for you (melhor para você), com US$ 112 bilhões.

O acesso à informação, graças a Internet, segundo Lahouasnia acelera essa mudança de hábito alimentar. “A mensagem do que é bom não está mais nas mãos dos fabricantes de alimentos, mas do próprio consumidor, que busca se informar melhor”. Outro fator é a pressão ambiental que tem levado até mesmo pessoas que não são veganas a buscar produtos vegetarianos. “No Brasil já existe uma preferência por alimentos naturais, saudáveis até pela facilidade de conseguir adquirir esses produtos”, diz o executivo com base na pesquisa sobre as tendências realizada em 55 países pela Euromonitor. “Essa tendência continua a crescer”.

Alimento tem que ser saudável e oferecer uma experiência sensorial

O consumo de alimentos se torna cada vez mais uma experiência sensorial, obrigando a indústria a ter mais foco no ser humano e menos no consumidor. A opinião é da Diretora de Keyweb Lab da Equilibrium, Carolina Godoy, que falou sobre “QTrends – Inovação sob a ótica do comportamento do consumidor e sua relação com a nutrição”, durante o Congresso Wellfood, em São Paulo.

Energia se tornou um elemento-chave nos estilos de vida contemporâneos dos consumidores. Eles estão adotando uma visão mais holística sobre que é ser saudável, afastando-se somente do conceito de controle de peso. “A escolha é feita de forma mais abrangente. Os millenials comem com um propósito. A percepção sensorial é importante, não adianta ser apenas um produto saudável, precisa ter sabor. E a indústria precisa correr atrás para atender essa demanda”, defende Carolina.

Para a executiva, “os consumidores reconhecem que há uma conexão implícita entre sua energia e os alimentos que ingerem, impulsionando o crescimento de alimentos com um posicionamento relacionado ao aumento de energia”.

Existe, ainda, uma ótima oportunidade, segundo Carolina, para modelos alternativos de negócio na indústria de alimentos, levando à ascensão dos clubes de assinaturas. “As pessoas recebem em casa as receitas e os produtos na proporção exata, o que possibilita ter uma experiência na produção de seu alimento, num resgate do passado, mas sem ter que dispender muito tempo”, explica.

Carolina lembra ainda que hoje a comida também ganhou status. “Não é possível apenas comer é preciso fotografar e colocar na internet. Tudo tem que ser postado e compartilhado”.

Diana Foods traz saudabilidade aos alimentos processados por meio de aditivos naturais

Como uma alternativa às vitaminas e aos minerais artificiais que possam conter nos alimentos industrializados e processados, a Diana Food aposta na oferta de compostos naturais para aumentar a saudabilidade desses tipos de produtos, como é o caso da vitamina C natural.

Stéphanie Pretesacque, representante global da empresa durante o evento, explica que é possível extrair esses elementos naturais e inseri-los nos alimentos industrializados, aumentando a funcionalidade dos produtos. “A vitamina C da acerola, uma fruta vasta no Brasil, pode ser colocada no lugar da vitamina C artificial. Por ser natural, sua absorção é mais rápida e mais efetiva”, diz a porta-voz.

A empresa, que afirma aliar o “melhor da natureza com o melhor da ciência”, oferece ingredientes naturais com base em estudos que comprovam seus efeitos positivos e funcionais no corpo, impactando desde quem pratica esportes até mulheres, que tendem a sofrer com patologias como a infecção urinária.

O diretor de vendas da Diana Food na América Latina, Thomas Muhlhausser, destaca no portfólio da empresa, além da vitamina C extraída da acerola, o cranberry e suas propriedades anti-inflamatórias, e o extrato do brócolis, além de outras vitaminas e minerais. “Nossos produtos vêm de fonte natural. Você pode usá-los na produção de qualquer alimento. Buscamos levar para a indústria mais saudabilidade, para que ela troque os produtos sintéticos por versões naturais”, explica Muhlhausser.

Acompanhe os dias de palestras do Congresso WellFood pelo site http://www.wellfoodsummit.com.br/congresso/

Serviço:

WellFood Ingredients 2019

Data: 3 e 4 de abril

Local: Centro de Eventos Pro Magno

Endereço: Av Professora Ida Kolb 513 – Jardim das Laranjeiras

Horário: Congresso das 09:00 às 17:45 / Exposição das 10:00 às 19:00

Mais informações: www.wellfoodsummit.com.br

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*